Blogger Widgets Blogger Widgets

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Museu Arqueológico do Vale do Rio dos Patos

As belezas naturais, a abundância de peixes e de caça não atraíram apenas os imigrantes europeus para as margens do rio dos Patos. 

Graças aos estudos arqueológicos desenvolvidos pela ENERBIOS na região, foi possível localizar vários indícios de que os antigos moradores indígenas da região aqui teriam chegado há pelo menos seis mil anos.

As datas mais antigas seriam dos habitantes da cultura hoje conhecida como “Umbú”. Depois estão as camadas cobertas por vestígios dos Guaranis e as mais recentes, dos Kaingangs, que ainda eram vistos, segundo relatam-nos alguns moradores mais antigos, subindo e descendo pelas margens do rio, há menos de cinquenta ou sessenta anos.

Eles estabeleceram-se em ambas as margens, tanto no fundo do vale como na região de cima da serra, onde abundantes pinheirais propiciavam alimento em forma de pinha, ou da caça que por elas eram atraídas.

Os estudos da ENERBIOS, realizados pela equipe do arqueólogo Julio Cezar Telles Thomaz, embora ainda precisem ser aprofundados, mereceram elogios do Coordenador Regional do IPHAN, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Paraná, Arquiteto José de La Pastina e estão disponíveis aqui.

A criação de um Museu Arqueológico do Vale do Rio dos Patos, que reúna os vestígios e as informações sobre os primeiros seres humanos que habitaram esta região é mais uma ideia proposta pela ENERBIOS para incentivar o turismo científico e histórico da região, já que existem recursos do Ministério da Cultura, destinados a esse setor, no “Programa Museu Memória e Cidadania”.

Fragmentos cerâmicos indígenas registrados superficialmente na Área de Ocorrência Arqueológica 

Fragmentos cerâmicos indígenas registrados superficialmente na Área de Ocorrência Arqueológica 

Artefato – lâmina de machado em basalto 

Artefato lítico – raspador – em silexito negro 

Um excelente exemplo de museu que foi concebido no Relatório de Impacto Ambiental da Usina Hidrelétrica Gov. Ney Aminthas de Barros Braga (antiga Usina Hidrelétrica de Segredo), é o Museu Regional do Iguaçu. As exposições apresentam representações das regiões próximas ao Rio Iguaçu e os elementos encontrados nessas proximidades.

 Elementos pertencentes às comunidades nativas (Exposição Homem e Mulher do Iguaçu


Na reunião mantida na ocasião da entrega dos estudos entre a direção do IPHAN e da ENERBIOS, a intenção de estudar formas de viabilizar esse Museu, nas imediações do Sítio Arqueológico do Lageadão, aproveitando estruturas como o escritório das obras da PCH Km 10 foi uma das possibilidades aventadas.