Blogger Widgets Blogger Widgets

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Conta de luz já acumula alta de 60,42% em 12 meses, segundo o IBGE

Fonte: O Globo
Com os reajustes extras para compensar o custo do uso de usinas térmicas, a energia elétrica já acumula alta de 60,42% em 12 meses até março. É um forte avanço na comparação com a taxa registrada no fim de 2014, quando o item encerrou o ano em 17,06%, já influenciado pela crise energética vivida pelo país.
— Isso significa que, há 12 meses, se a gente pagava R$ 100, hoje paga R$ 160 pela conta de luz — explica Eulina Nunes, coordenadora de índice de preços do IBGE.

Em março, com aumento médio de 22,08%, a conta de luz mais cara foi responsável por mais da metade do IPCA do mês. O item energia elétrica representou 53,79% do IPCA, com impacto de 0,71 ponto percentual.
No Rio, esse peso da alta da conta de luz foi maior, chegando a 61,3%. Segundo os dados divulgados nesta quarta-feira pelo IBGE, o servi ço registrou alta de 23,34% no mês passado, contribuindo com 0,87 ponto da inflação carioca de 1,35%, acima da média nacional.
O resultado foi principalmente influenciado pelo reajuste de 34,91% da Ampla, recentemente revisado para baixo pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). A alta foi autorizada em 15 de março, mas já apareceu no resultado do mês.
Esse resultado fez com que o grupo habitação, no qual se enquadram as tarifas de energia, subisse 5,98% em março (contra 1,02%), e respondendo por nada menos que 74% do resultado do Rio de Janeiro.
Em abril, no entanto, esse avanço deve perder um pouco de fôlego, avalia a especialista do IBGE. A pesquisa deste mês, que será divulgada no início de maio, deve ser impactada principalmente pelos reajustes da conta de luz em Belo Horizonte, de 6,56%, e em Belo Horizonte, de 3,22%, ambos a partir desta quarta-feira.
Os reajustes são menores que, por exemplo, a alta de 34,91% na tarifa da Ampla, autorizada em 15 de março, que já influenciou o IPCA do mês passado. Na terça-feira, porém, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), reduziu o reajuste da Ampla para 30,25%.
Após fechar o ano passado com avanço de 17,06%, a inflação da energia no acumulado em 12 meses saltou para 27,09% em janeiro, 30,27% em fevereiro e a 60,42% no mês passado. A intensidade da elevação mostra que os reajustes estão concentrados no início do ano.
O IBGE informou nesta quarta-feira que a inflação brasileira acelerou para 1,32% em março. O resultado é o maior para o mês desde 1995 — menos de um ano após a implantação do real, em julho de 1994 e quando atingiu 1,55%. Considerando todos os meses, é o maior índice desde fevereiro de 2003, quando chegou a 1,57%. No trimestre, a taxa está em 3,83%, a maior para o período desde 2003, quando foi de 5,13%.
No acumulado em 12 meses, o IPCA, índice oficial, já avança 8,13%, bem acima do teto da meta do governo, de 6,5%, e é o maior desde dezembro de 2003 (9,3%). No acumulado em 12 meses até fevereiro, o IPCA registrava alta de 7,7%. Em fevereiro, havia ficado em 1,22%.
ALIMENTAÇÃO E BEBIDAS
Seguindo a tendência nacional, o grupo de alimentação e bebidas respondeu pelo segundo maior impacto do mês no Rio de Janeiro, com alta de 0,95% e peso de 17%.
O vilão entre os produtos alimentícios foi o alho que, segundo o IBGE, é fortemente impactado pelo dólar alto, já que é importado. Também pesou no bolso do consumidor a alta da cebola (12,14%) e, em mês pré-Páscoa, os pescados, que subiram 6,75%.
Para aliviar o consumidor carioca, a carne que foi uma das pressões do ano passado, registrou queda de 1,61% em março. Mas o impacto sobre o resultado foi quase irrelevante, só de 0,03 ponto percentual. Entre as principais quedas, o que mais pesou no balanço da região foi a redução da passagem aérea, que chegou a 12,38%, ainda assim com tímido peso negativo de 0,09 ponto percentual.
REMÉDIOS VÃO PRESSIONAR EM ABRIL
Enquanto a energia pode dar uma trégua, o índice de abril deve ser pressionado por outras altas. No Rio, pesará sobre o resultado o reajuste de 5,71% do metrô, em vigor desde o último dia 2. E, em todo o país, os aumentos nos preços de medicamentos, de 1,02% a 5,68%, válidos desde o dia 1º.
— Remédio é que tem mais impacto, porque pega o Brasil inteiro. O impacto dos (preços) monitorados no mês de abril tende a ser menos expressivo do que o que ocorreu em março — adianta Eulina.

Nenhum comentário:

Postar um comentário