Blogger Widgets Blogger Widgets

terça-feira, 5 de maio de 2015

Gás é dúvida no leilão A-5

Fonte: Valor Econômico
O aumento no preço-teto oferecido pelo governo deve atrair oferta no leilão A-5, que ocorrerá amanhã, e venderá energia de projetos novos de geração, com início de entrega em 2020. A expectativa é que haja contratação elevada de térmicas, especialmente a biomas-sa e a carvão, além de pequenas centrais hidrelétricas (PCHs).


A grande dúvida diz respeito à viabilidade das usinas movidas a gás natural, que há anos encontram dificuldade para obter contratos de longo prazo de suprimento do insumo com a Petro-bras. Desta vez, no entanto, o gás natural liquefeito (GNL) importado pode aparecer como alternativa. AES Tietê e Copei já afirmaram que negociavam contratos de “swap” de gás junto à estatal: importariam o GNL e entregariam aos terminais de regaisificação da estatal e, em troca, receberiam o insumo via gasodutos.
Para Ricardo Pinto, sócio da consultoria Gas Energy, o preço-teto estabelecido para as termelétricas, de R$ 281 por megawatt-hora (MWh), apesar de ser muito maior que os R$ 209 por MWh do último A-5, de novembro, pode não acomodar os custos com o pacote de serviços da Petrobras. “Com o aumento recente do dólar e os riscos de contratar GNL lá fora, esse valor é bastante apertado”, pondera.
Já Thais Prandini, da Thymos Energia, acredita que a expansão da térmica a gás da Araucária, da Copei, possa ser viabilizada no certame. A estatal paranaense pretende expandir a capacidade da usina em 200 megawatts (MW) por meio de contratos de swap com a Petrobras. “Já temos o fornecedor de GNL, com uma proposta que atende bem às condições do leilão”, disse neste mês ao Valor Jonel Iurk, diretor de novos negócios da companhia.
De acordo com a Empresa de Planejamento Energético (EPE), sete empreendimentos de gás natural, somando 4,4 mil MW, foram habilitados para o leilão – o que significa que comprovaram ter contratos de suprimento de gás.
Especialistas não descartam que o Grupo Bolognesi volte a participar. O conglomerado gaúcho surpreendeu no leilão A-5 de novembro, com a venda de 2,4 mil MW de duas usinas a gás, uma em Pernambuco e outra no Rio Grande do Sul, que serão abastecidas por GNL importado. O insumo deve ser regaseificado em terminais a serem erguidos pelo próprio grupo.
O gás respondeu pela maior parte da energia habilitada para o leilão de amanhã, que somou, ao todo, 6,7 mil MW, espalhados por 50 empreendimentos, ainda segundo dados da EPE. A segunda maior contribuição veio das térmicas a carvão, com dois projetos cadastrados, com 1,2 mil MW de potência. “O preço é bastante atrativo para essa fonte”, diz Thais, da Thymos.
A Tractebel já sinalizou que pretende vender a segunda fase da usina a carvão de Pampa do Sul, no Rio Grande do Sul. A térmica, com 340 MW de potência, foi vendida no A-5 de novembro e, segundo o diretor financeiro Eduardo Satta-mini, há espaço para duplicação dessa capacidade, com sinergias de custos caso as duas fases sejam construídas simultaneamente.
A expectativa também é bastante positiva para as PCHs. O preço-teto de R$ 210 por MWh estabelecido para a fonte ficou 28% acima daquele vigente no último leilão com entrega em cinco anos. “Estamos bastante animados, é a primeira vez em muito tempo em que há um preço justo”, disse Ivo Pugnaloni, presidente da Associação Brasileira de PCHs (AbraPCH) e da consultoria Enercons. O executivo espera que todos os 425 MW de oferta habilitados para o leilão, em 25 empreendimentos, sejam vendidos, com deságio baixo.
As hidrelétricas de maior porte, que normalmente são vendidas no A-5, com horizonte mais longo, dessa vez tem pouca representatividade. No leilão de manhã, será licitada apenas a hidrelétrica de Itaocara, no Rio de Janeiro, com potência de 150 MW. O empreendimento já foi a leilão no ano passado, sem interessados. As usinas de Apertados, Ercilância e Telêmaco Borba, no Paraná, com 340 MW de potência somada, não obtiveram licença ambiental e ficaram de fora do certame. (Colaborou Rodrigo Polito, do Rio)

Nenhum comentário:

Postar um comentário